Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: RIFLE



Sinopse: Dione (Dione Ávila de Oliveira) é um jovem com hábitos estranhos, que vive isolado com sua família em uma região rural e remota. Mas toda a tranquilidade do local é abalada quando um rico proprietário tenta comprar a pequena propriedade onde ele e sua família vivem. O jovem então começa a carregar sempre um rifle, de forma a defender seu território.


Conheço pessoas que trabalhavam no interior e que até mesmo poderiam se tornar donos de suas próprias terras futuramente. Porém, a ideia de enriquecer na cidade grande sempre atrai aqueles que querem mudar de vida, mas que nem sempre isso acontece como num passe de mágica. Sem nenhuma expectativa, a pessoa retorna então para o interior, pois os poderosos da cidade grande não lhe aceitam, mas esses últimos decidem então invadir o interior para conquistar determinados pontos de terra.
Tem-se então um quadro indefinido para o indivíduo, do qual não é aceito na cidade grande, mas corre o sério risco de ser expulso de suas próprias raízes. A escolha é defender o que é seu, nem que para isso sofra sérias consequências e das quais tornam o seu futuro como indefinido. Em Rifle, observamos um reflexo de uma realidade nua e crua e da qual esta muito mais próxima do que a gente imagina.
Dirigido por Davi Pretto (Castanha), acompanhamos a história de Dione (Dione Ávila de Oliveira), rapaz sem muita expectativa e que vive com a sua família numa região rural do interior do RS. O comodismo de todos da região começa a mudar no momento que certo rico dá sinais que tem interesse por aquelas terras e fazer com que Dione e sua família partam de lá. O protagonista então usa o seu velho rifle para afugentar aqueles que se aproximam sempre do seu território.
Existe aqui elementos que lembram alguns títulos do nosso cinema recente como, por exemplo, Aquarius, do qual retrata o desejo de posse de alguns, mas não se importando com a história e com o futuro de outros. Contudo, Davi Pretto incrementa sua visão particular com relação a esse assunto, incrementando até mesmo velhos elementos do gênero faroeste, mas que não se desprende da realidade do interior do estado do RS. Ao mesmo tempo, a mesma sensação de falta de uma boa perspectiva com relação ao presente e ao futuro visto em Castanha, é usado aqui no mesmo peso e medida, mesmo se passando em cenários distintos se comparados um ao outro.
Seguindo a tendência do movimento “ficção/documentário” visto nos melhores títulos do cinema independente brasileiro recente, como Branco sai, Preto fica, assim como também o próprio Castanha, Davi Pretto usa não atores para a realização desse filme e resultando numa atmosfera realística e até mesmo da qual nos identifiquemos facilmente com ela: a cena em que vemos, por exemplo, a família de Dione revisitando o passado através de fotografias, vemos então o cruzamento entre ficção e realidade, como se não houvesse roteiro, tudo criado no improviso, mas tendo resultado verdadeiramente positivo.
Embora atuando pela primeira vez, Dione Ávila de Oliveira se sai bem em cena, pois o seu modo na criação do seu respectivo personagem acaba se casando com proposta principal do cineasta e nascendo então um personagem trágico e de múltiplas camadas. A meu ver, Dione seria uma representação da resistência contra os poderosos do capitalismo atual, do qual deseja posses, mas que destrói vidas e histórias das quais poderiam ser contadas. Se num primeiro momento as suas ações contra aqueles que vêm de fora possa soar como inconsequente, por outro lado, compreendemos que ele chegou num estagio em que não anda nem pra frente e nem para traz, pois ele acredita que o seu modo de agir seja uma defesa e uma espécie de válvula de escape para sair toda a sua revolta.
Como em Castanha, Davi Pretto usa todos os elementos acima citados, para se criar então um drama sobre o vácuo existencial contemporâneo de hoje. Se ele existe, talvez ele seja formado pelas engrenagens políticas atuais, mesmo quando na trama não se mostre elas de uma forma explicita. Porém, quando vemos, por exemplo, o protagonista adentrar um casarão cheio de utensílios, mas sem ninguém no local, a cena tornasse então simbólica, pois ela representa o poder da posse, mas sem nada para acrescentar a história.
Curto, mas profundo, Rifle é uma pequena experiência sensorial sobre a realidade contemporânea, da qual cada vez mais se encontra indefinida e movida pela incerteza sobre o nosso real papel no mundo atual.

Abaixo momentos da exibição especial do filme que aconteceu no último sábado na Cinemateca Capitólio e com a participação do cineasta Davi Pretto.  
 

Leia também: Castanha.

Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: